Blog da Maria Cecília Corsi

Um cheesecake para comer sem medo de engordar

Maria Cecília Corsi

14/06/2018 04h00

 

Crédito: Divulgação LivLight/Renata Farrielo

Eu sei, todo mundo fala que a receita é nova-iorquina. Ela talvez na forma como a gente conhece, mas o bolo doce e cremoso à base de queijo já era servido aos atletas olímpicos na Grécia Antiga, acredita? É claro que a releitura dos americanos é maravilhosa. O que tentei foi tirar um pouco das calorias da cheesecake original sem roubar seu sabor. Consegui, nessa adaptação, um resultado mais leve e, ainda assim, bem gostoso.

CHEESECAKE LIGHT COM CALDA DE FRUTAS VERMELHAS

Rende 16 fatias cada uma com 121 calorias cada

Ingredientes:

 Para a massa

  • 300 gramas de farinha de trigo integral
  • 40 gramas de manteiga sem sal
  • 3 gemas
  • 1 colher de sobremesa de adoçante para uso culinário
  • 1 colher de café de extrato de baunilha
  • 3 colheres de sopa de água gelada

Para o recheio

  • 200 mililitros de leite desnatado
  • 3 gemas
  • 100 gramas de cream-cheese light
  • 250 gramas de queijo tipo cottage
  • 80 gramas de ricota
  • 2 colheres de sopa de adoçante para uso culinário
  • ½ colher de café de extrato baunilha
  • 1 colher de café de raspas de limão siciliano
  • 3 claras

Para a calda

  • 2 pacotes de polpa de morango
  • 2 colheres de sopa de geleia de morango diet

 Para enfeitar (opcional)

  • Folhas de hortelã

Crédito: Divulgação LivLight/Renata Farrielo

Modo de preparo

  1. Em uma tigela grande, coloque a farinha integral, a manteiga, as gemas, o adoçante, a baunilha e a água;
  2. Mexa com as pontas dos dedos até formar uma massa homogênea;
  3. Leve à geladeira por 15 minutos, enquanto o forno é pré-aquecido a 180°C;
  4. Comece a preparar o recheio, colocando no liquidificador o leite, as gemas, o cream-cheese, o cottage, a ricota e o adoçante. Bata em velocidade baixa até formar um creme;
  5. Despeje o creme em uma tigela e junte a baunilha e as raspas de limão siciliano. Reserve;
  6. Com as pontas dos dedos, abra a massa em uma forma redonda de fundo removível (aro de 25 centímetros). Cubra também as laterais, cuidando para que fique uma camada fina;
  7. Leve essa massa para pré-assar por 10 minutos. Retire do forno e reserve;
  8. Na batedeira, bata as claras em neve e misture-as delicadamente ao recheio reservado;
  9. Em seguida, despeje esse recheio na massa pré-assada;
  10. Leve ao forno por mais cerca de 30 minutos, agora a 200°C. Retire quando estiver dourado;
  11. Deixe esfriar e leve à geladeira por quatro horas para que fique firme;
  12. Em uma panela, coloque a polpa de morango e a geleia, deixando ferver por 3 minutos para reduzir;
  13. Deixe esfriar e deixe na geladeira até a hora de servir, quando a calda deverá ser derramada sobre o cheesecake. Enfeite, se quiser, com as folhas de hortelã.

Que tal trocar a calda por frutas?

Sim, garanto que fica uma delícia se, no lugar da tradicional calda, você espalhar laranja, manga e abacaxi bem picadinhos.

Sobre a autora

Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo, ao trabalhar em hospitais Maria Cecilia Corsi já percebia certa dificuldade na hora de preparar uma comida saborosa para quem sofria alguma restrição. E resolveu colocar um fim nessa história quando notou que, mesmo em situações mais banais, como as de pessoas que precisavam perder apenas 4 ou 5 quilos, era complicado montar um cardápio sem mesmice. Daí, em 1995, viajou para Berkeley, na Califórnia, Estados Unidos, para estudar maneiras de ajustar o melhor da gastronomia à dieta saudável. E trouxe na bagagem de volta uma série de truques. De lá para cá, inventou outros tantos, é bem verdade… Não gosta de dizer que faz pratos light nem diet. Define sua cozinha como moderna e atual (“Porque hoje todo mundo quer uma vida saudável”).

Sobre o blog

Toda semana, Maria Cecília ensina uma receita por aqui. Mas não dá só o passo a passo. Ela conta os bastidores de sua criação culinária. Por exemplo, divide com você como ela consegue emagrecer ingredientes “gordos”, tirar o sal de um molho sem que alguém sinta falta dele, criar doces para diabéticos de dar água na boca e muito mais. A ideia é que você não só prepare o prato ensinado em sua casa, mas se sinta inspirado para modificar as receitas do seu próprio caderno de família, a fim de que se tornem bem mais equilibradas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi
Blog da Maria Cecília Corsi

Blog da Maria Cecília Corsi

Como fazer um bolo de Natal diet de pão, castanha e frutas

Quando vejo um prato diferente, no mesmo instante fico pensando em como  fazer uma releitura para torná-lo mais equilibrado ou para que resolva alguma necessidade dietética.  E também tem o paciente que vem e me pede: "você tem alguma receitinha de...?" Pode apostar que, se a pessoa usa o diminutivo, é bomba! Mesmo que eu troque ingredientes e lance mão de outras estratégias para deixar algo mais leve e nutritivo, é fundamental que o resultado faça jus ao nome. Ou seja, mousse precisa ter textura de mousse (e não de gelatina ou de mingau). Por isso, há sempre um desafio em cada adaptação. A história deste bolo, por exemplo, é antiga e ele se tornou um clássico da minha cozinha. Em 1998 (nossa, faz tempo!), prestei consultoria para uma grande empresa que estava para lançar um adoçante de terceira geração, capaz de ser usado com maior segurança por crianças e gestantes, e, mais, que podia ir ao forno e ao fogão, sem deixar aquele gostinho residual desagradável na boca. Desenvolvi  diversas receitas e a deste bolo foi a que mais agradou nos testes. Daí, treinei cozinheiros em várias cidades para aprendessem a fazê-lo, já que o lançamento era simultâneo em todo o Brasil. De Norte a Sul, foi um sucesso. Só um probleminha: quando a tal empresa foi avaliar o resultado da ação de marketing, descobriu que o público estava ansioso porque... todos queriam saber quando o bolo seria encontrado nos supermercados!

Blog da Maria Cecília Corsi
Topo